vida eterna

Eu VIDA ETERNA, VIDA EM DEUS

 Na sociedade moderna, basicamente existem apenas dois modos de viver e entender a vida. Existem apenas dois princípios ou realidades. Talvez dois paradigmas. Aqueles que vivem a VIDA e sua existência ignorando a Deus, ou à margem de Deus, e aqueles que vivem a vida participando da VIDA ETERNA de Deus. Os primeiros passam pela vida sem conhecer ou experimentar a transcendência, os segundos, por outro lado, vivem uma vida aberta a Deus e à transcendência. Para aqueles que vivem a vida à margem de Deus, a morte representa o fim, o passo para o nada. Para os demais, a morte é a porta para a plenitude da Vida Eterna em Deus. Trata-se de dois níveis existenciais paralelos que só convergem para o crente, porque só se pode viver uma vida plena quando se é capaz de participar da Vida Eterna, eisso só é possível quando a vida está fundamentada em Deus Pai.

A Vida Eterna não é uma realidade que começa após a morte. Não é um acréscimo, não é algo posterior, nem se trata de um futuro incerto. Pelo contrário, a Vida Eterna é um AQUI E AGORA para o crente; é uma realidade que o crente pode viver e experimentar aqui e agora em sua história pessoal, graças à fé na Ressurreição de Jesus e ao sacramento da Eucaristia.

As experiências de Deus e da Ressurreição que o crente experimenta em sua jornada pela vida, assim como as diferentes dimensões da transcendência dentro da história, como a família, os amigos, o fruto do trabalho, as crenças e valores, os desafios e dificuldades, ou os sucessos pessoais e coletivos,, todos eles são elementos que constituem dimensões e momentos da Vida Eterna na história humana. Essas manifestações constituem o que o indivíduo deixa neste mundo quando morre e são manifestações de Deus dentro da História Humana.

Para os não crentes, há apenas uma vida. A vida começa e termina em si mesma. Para os cristãos, no entanto, pelo batismo somos membros de uma Comunidade de fé, a Igreja, e somos chamados a participar da Vida Eterna, a Vida em Deus. A Vida em Deus consiste em experimentar seu Amor, graças à fé na Ressurreição e graças à Eucaristia. Participar da Vida Eterna é fazer parte do Amor Absoluto de Deus, que continua a alimentar e dar sentido às vidas de homens e mulheres, de geração em geração.

A Vida Eterna é a vida em comunhão com Deus. A morte é a porta para a plenitude da Vida em Deus, juntamente com aqueles entes queridos que já morreram e que já vivem em Deus, pois eles fazem parte da realidade divina. É um processo de divinização do ser humano.

Não há dúvida de que algo dentro de nós resiste a aceitar o absurdo de que existimos pornada e para nada. É uma convicção profunda que faz parte do ser humano desde que existecomo tal. A maioria da humanidade permanece dentro das grandes correntes religiosas que aceitam a existência de outra vida. Há milênios, os homens de todas as culturas confiaram que os mortos sobrevivem de alguma forma. Todas as religiões ensinaram que Deus nos criou, que devemos amar uns aos outros e que, após a morte, desfrutaremos de uma maior proximidade com Deus em outra vida. A novidade do Cristianismo é que, pelo batismo e pela ressurreição de Cristo, esta Vida Eterna do além pode ser vivida e experimentada aqui e agora, através do sacramento da Eucaristia e das experiências de Ressurreição que o ser humano experimenta em sua vida pessoal, a qual se converte em uma história de salvação e de santificação

A pergunta sobre o além, portanto, nos ajuda a entender e viver plenamente o sentido do aqui e agora. Não podemos eliminar a pergunta sobre o além. É uma pergunta necessária e legítima que a sociedade atual omite, mas que faz parte da história da humanidade. Na Era Digital, continua sendo uma pergunta essencial. Para entender o aqui e agora, devemos tentar responder à pergunta sobre o além. Esse é o propósito deste projeto